Medicina Psicossomática

 

Medicina  psicossomática é a que trata das relações recíprocas entre espírito e corpo.

 

O corpo físico é veículo do espírito nos planos inferiores de evolução. (A medida que o espírito evolue, se utiliza de corpos cada vez mais leves).

 

Há uma profunda reciprocidade de ação entre corpo/espírito, de forma que reações sobre um ecoam sobre o outro.

 

É pelo sistema nervoso que o corpo físico se põe em contato com o corpo espiritual.

 

Ligando o espírito (energia) e o corpo (matéria) há outros corpos astrais (semi-materiais).

Entre eles, o duplo etéreo, que é um corpo fluídico, não visível pelos olhos materias, mas formado por matéria do plano físico em estado de menor densidade ou condensação.

 

Suas principais funções:

1)      absorver o Prana ou Vitalidade e enviá-lo a todas regiões do corpo físico.

2)      Servir de intermediário ou ponte entre o períspirito e o corpo físico, transmitindo a este a consciência dos contatos sensoriais físicos, e outrossim, permitindo a descida ao cérebro físico e ao sistema nervoso, da consciência dos planos espirituais.

 

Prana é a vitalidade, a energia construtora que coordena as moléculas físicas.

O Prana vitaliza o duplo etérico. A saúde das diversas partes do corpo  depende em grande parte da quantidade de prana distribuído. Essa distribuição se dá através de centros de forças/chacras.

 

Tudo o que melhorar as condições do duplo etérico melhorará a saúde do físico, e o que mudar a constituição do físico modificará também a constituição do duplo.

 

A nutrição material, de fora para dentro, e nutrição espiritual (pensamentos e sentimentos), de dentro para fora, concorrem e se responsabilizam pelo estado de saúde do homem encarnado.

Reações de natureza inferior (ódio, tristeza, intemperança, medo, aflições, sensualismo, desânimo, impaciência, inconstância, etc.) sendo forças opressoras e dispersivas, abaixam ou exaltam demais os níveis vibratórios das células do duplo etérico e do corpo denso, originando doenças e disfunções. Da mesma forma que reções no sentido inverso ( serenidade, confiança, fé, coragem, paciência, ânimo forte, alegria, temperança, etc.) serão capazes de restabelecer a saúde ou o equilíbrio orgânico.

A alimentação material inadequada provoca também desequilíbrios orgânicos e pode vir a dificultar o controle do corpo pelo espírito. O que se reflete no setor psíquico como neurastenia, irritação, nervosismo, desânimo.

O homem encarnado deve cuidar com carinho tanto da higiene espiritual, como da material.

 

Quase sempre o corpo doente assinala a mente enferma.

 

A medicina humana será muito diferente no futuro, quando a ciência puder compreender a extensão e a complexidade dos fatores mentais no campo das moléstias do corpo físico. Não raramente se encontram as afecções diretamente relacionadas com o psiquismo. Todos os orgãos são subordinados à ascendência moral.

Maus pensamentos e maus sentimentos funcionam no plano psíquico, com repercussão posterior no campo físico como fonte perniciosa de bacilos deletéricos a contaminar o meio, produzindo desequilíbrios que podem ir desde a intranquilidade espiritual até a doença física.

 

Alguns Conceitos para se refletir

 

            Doença: uma desarmonia interior

*   Uma doença do corpo é sempre uma expressão e tradução interior de uma desordem, de uma desarmonia do ser interior; a não ser que esta desordem interior seja sanada, a cura exterior não pode ser total e permanente.

Doença: uma quebra de equilíbrio

*   Deve haver um triplo equilíbrio – o mental, o vital e físico.

*   Devemos ser cautelosos e ter muito discernimento para descobrir em nós mesmos “uma pequena coisa” que sente prazer em ficar doente. Há pessoas que adoecem por rancor, despeito, desespero...

*   A depressão é um sinal de desarmonia no ser, de uma falta de receptividade às forças divinas. A dúvida, a tristeza, a falta de confiança, um egoístico voltar-se sobre si que nos desliga da luz e da energia divina e propicia o desequlíbrio orgânico.

*   Você se pergunta se uma doença lhe é dada propositadamente para fazê-lo progredir? Certamente não é assim. A melhor atitude quando estamos doentes é dizer: “Há algo em mim,  no meu interior, que não está certo. Vou me observar e procurar saber o que é.”

*   Se observarmos bem, os seres humanos têm uma saúde muito mais delicada e incerta do que os animais, porque a sua mente interfere e perturba o equilíbrio. O corpo, deixado a si mesmo, possui um instinto muito seguro. Por exemplo, ele não come se não precisa ou toma uma coisa que lhe seja nociva, dorme quando necessita dormir, age quando deve agir. O instinto do corpo é muito seguro. É  o vital e a mente que o perturbam, um por seus desejos e caprichos, o outro, por seus princípios, dogmas, leis e idéias.

*   Paz: grande remédio para a doença

Encontre a paz bem no fundo de si e introduza-a nas células de seu corpo. Com a paz retornará a saúde.

Cultive a paz e a serenidade no seu dia a dia: isso lhe dará força para resistir aos ataques das doenças.

Toda agitação prolonga o desequilíbrio.

*   Pense no bem, sinta o bem em você

Estamos sempre cercados pelas coisas em que pensamos, que como um íman atraem coisas em nossa direção. Escolha pensamentos que o façam feliz!

*   Perdoe.

O livro “The Course in miracles” repete com insistência que o perdão é a resposta para quase tudo. Quando estamos empacados num certo ponto significa que precisamos perdoar mais. Quando não fluímos livremente com a vida, em geral estamos agarrados a um instante passado. Pode ser pesar, tristeza, mágoa, medo, culpa, raiva, ressentimento e às vezes até o desejo de vingança.Cada um desses estados vem de um espaço onde não houve perdão.

*   Ame.

O amor é sempre o melhor caminho para qualquer cura. E o perdão nos conduz ao amor. A boa saúde começa com o amor por si mesmo.

*   Seja você.

Tentar ser como outra pessoa só serve para atrofiar nossa alma. Estamos aqui para expressar o que somos.

*   Deseje se modificar.

Não é necessário sempre saber “como”, é preciso estar disposto, e então aos poucos os “como” virão.

*   Seja positivo.

Não se desgaste na luta contra o negativo. Quanto mais você se concentra no que não quer, mais dele você cria. Aquilo a que você dedica a sua atenção cresce e torna-se permanente. Coloque a sua atenção no positivo.

*   Conheça-se melhor.

“Sua visão se tornará clara somente quando você puder olhar dentro de seu próprio coração. Aquele que olha para fora sonha, aquele que olha para dentro desperta”.( C.G. Jung).

 

 

« Há doenças, porque há doentes »

 

A doença é um efeito de distúrbios profundos no campo da energia pensante ou Espírito.

 

As doenças orgânicas se instalam em decorrência das necessidades cármicas, convocando o ser a reflexões e reformulações morais proporcionadoras do reequilíbrio.

 

O psicossoma impõe os fatores cármicos modeladores necessários à evolução, sob impositivos que impedem, pelos limites e situações difíceis, a reincidência no fracasso moral.

 

À medida que a ciência se equipa e soluciona patologias graves, criando terapias preventivas e proporcionando recursos curativos de valor, surgem novas doenças, que passam a constituir-se tremendos desafios. Isto se dá, porque, à evolução tecnológica e científica da sociedade não se apresenta em igual correpondência o mecanismo de conquistas morais.

 

O homem conquista o exterior e perde-se interiormente.

Avança na horizontal do progresso técnico sem o logro da vertical ética. No inevitável conflito que se estabelece: comodidade e prazer, sem harmonia interna nem plenitude – desconecta os centros de equilíbrio e abre-se favoravelmente a agentes agressores novos, aos quais dá vida e que lhe desorganizam as células.

 

As tensões, frustrações, vícios, ansiedades, fobias, favorecem as distonias psíquicas que são somatizadas aos problemas orgânicos ou estes e suas seqüelas dão surgimento aos tormentos mentais e emocionais.

 

A maquinaria orgânica depende dos fluxos e refluxos da energia psíquica e esta por sua vez, das respostas das diversas peças que aciona. Nessa interdependência, a vibração mental do homem é lhe propiciadora de equilíbrio ou distonia, conscientemente ou não.

 

As doenças contemporâneas, substituindo algumas antigas e somando-se a outras não debeladas ainda, enquadram-se no esquema do comportamento evolutivo do ser, no seu processo de harmonização interior.

 

A mente equilibrada comandará o corpo em harmonia e, nesse intercâmbio, surgirá a saúde ideal.

 

 

Fontes

Iniciação Espírita – Aliança Espírita Evangélica

Atualidade do Pensamento Espírita –Vianna de Carvalho-Psicog. Divaldo P. Franco

O Homem Integral -Joanna de Angelis – Psicografia de Divaldo Pereira Franco

Você pode curar a sua vida – Louise L. Hay

Saúde e cura no yoga - Mãe